terça-feira, 3 de julho de 2007

ENTROPIA

Entropia signifa que o universo está perdendo energia
Significa que a realidade está ficando cada vez mais fria
Que a existência caminha um rumo caótico
E as móleculas pararão um dia
Está vinculada a uma teleologia
Tudo se desfazendo em um fim apoteótico

Mas prefiro dizer ser ela uma magia
Uma aleatoriedade infinita
Uma primazia de caráter alheio e bonita
Vinculadora de encontros além da monotonia
Estabelecedora de situações maiores que o dia-a-dia
Abarcando a ordem estabelecida
Mas transpondo-a rumo a mares nunca dantes navegados

Aí residem os grandes achados
Os beijos roubados
Os saberes acumulados
Os amigos identificados
Os pequenos milagres inexplicados
Os sorrisos furtivamente trocados...

E essa entropia assim venero
Pelo que ela me põe diantes dos olhos
Por transpor essa materialidade que espero
Ser sempre mutável e inconstante
Para me dar um tempero enebriante
E canalizar aleatoriamente minhas infindáveis energias

Para que elas lhe cheguem ao lado
Docemente encantadoras como um fado
Entorpecendo e serenizando-te os sentidos
Roubando-a um pouco desse mundo cansado
E abrindo-te os olhos para um reino encantado
Onde de loucura estamos munidos

E lá não cessa o encanto
A entropia nos abarca e é tudo, todo instante
Permite-nos um momento acachapante
Grandioso como um céu estrelado
Instigador de oníricos desenlaces alados
Pousados em suas asas de fadas
E nesse universo que se interioriza em suas entranhas...

8 comentários:

Cátia Margarida disse...

Aceito suas esmolas de órgãos usados porque meus estao podres, enferrujados. Talvez um dia me enferrugem a alma.
Entropia essa que sempre me traz ate ti, ate as tuas palavras que me trasportam os olhos para planicies de girassois gigantes em que poisamos e adormecemos com o sol na cara (enferrujada a minha - a tua sempre coraçao de melancia em dia de inverno)

Camila Queiroz disse...

adoro teus textos...

[P] disse...

Salve Jorge dos elogios rasgados em comentários desconcertantes e dos versos ora fortes, ora singelos, e certeiros...

Annie disse...

Sendo de vários desejos rasgados
Entropia de molde cadente e vultos em sombras mergulhados. No canto efémero ser de toque não menos utópico. Quimera de sons inanimados e doces arfares. Desrritmos ó entropia, desrritmos de me te ser. E nesse papel prata deforma a boca de ouro. as mãos em olhos atadas. confusão em arte casada em pensamento. livre diria, solta e gatafunhada.

Lynn disse...

hermano... tem tempo que eu não passo aqui, enquanto vc invade meu blog de poesias sobre meus simples comentários.
pena eu não conseguir responder sempre a altura... rs
mas de qualquer forma, sempre encantada com seus pensamentos e palavras e como vc as organiza.
saudades sempre.
acho que farei algo lá em casa dia desses, que minha mãe vai viajar.
te dou um toque! =)
fim de semana vc vai pra fun mesmo? eu vou pro camisa de venus. =D
beijocasss

tayná. disse...

eu pensei em ti
um mundo novo cresceu no meu peito
a saudade me pegou daquele jeito
e eu chorei por não poder gritar
estás aqui e eu estou lá
meio perdida no que aline não me deixou
ouvindo recados no telefone
de pessoas que me ignoram
de pessoas que já não vivem em dor

passeei pela tua rua
olhei fundo dentro da tua janela
vi luzes apagadas
vi flores amarelas
depois voei pra lua
a te esperar lá
que aparecesses com teu dragão
para cavalgarmos na imensidão
desse mundo completo
nessa nossa solidão

e a saudade que tenho das horas no teu colo
em que nossas madeixas sem embaralhavam de tanto movimento
quando bebíamos o toque do vento
e eu chorava de tanto rir
onde estás?
onde estás que não aqui?

apareça e me enlouqueça
roube-me os sentidos uma vez mais
abra minhas asas
entre em meu umbigo
faça em mim abrigo
uma eternidade além
do mar
ah, mar...

Isamara Paes disse...

entropia.
eu respiro todo esse dia e nada sinto mais como antes,pois tudo muda, sempre muda, eles são frios e os beijos não são mais como aqueles que sentia.
A magia e feita em um potinho de plástico descartável assim fica mais facil não se apegue a esse vinculo mágico.
Abro bem os braços e o vento delicadamente me dar um abraço.
muda dia.
muda noite.
mudam pessoas.
e eu aqui acreditando nos pequenininhos milagres.

Anônimo disse...

Pesquisando sobre entropia, deparei-me com poesia... um bom começo!