quarta-feira, 24 de abril de 2019

Meu

No meu verbo
No meu verso
No meu verto
No meu ver-te
No meu verde
No meu ter-te
No meu torto
No meu porto
No meu parto
No meu farto
No meu fardo
No meu ardo
No meu ar
Dor

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Trevos

Estamos acabados
Terminados
Findos
Obliterados
Anulados
Impedidos
Negados
Cancelados
Desfeitos
Moídos
Nos peitos
Nos jeitos
Nos aceitos
Nas seitas
No como se ajeita
Ao que não tem jeito
Em tudo que podia ter sido
Mas estamos vivos ainda...

sábado, 13 de abril de 2019

Tempo ou tem pó

Sossego
Só cego
Só cedo
Só lerdo
Se ergo
Envergo
Em verso
Inverso
Inverto
Pro seco
Pro cerco
Esterco
És terno
Eterno
Inferno....

terça-feira, 26 de março de 2019

Lua



Se somem os lábios
Se somam-se os lábios
Astrolábios
Alfarrábios
Aos homens larápios
Ou sábios
Assomas ao lábaro
À lavra
Ao largo
Sois astro

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Eu queria mesmo era uma orientadora educacional ou Porque eu não quero escolas militares...

Salve pessoas. Como vão? Espero que bem, embora eu ache difícil nos tempos atuais.
O que me traz até aqui é que descobri na última sexta-feira (11/01), por conta do anúncio do novo governador do DF Ibaneis Rocha, que minha escola, o CED 308 do Recanto das Emas, assim como outras três escolas da rede pública do DF serão espaços de um projeto da Secretaria de Segurança para disciplinar alunas e alunos através da MILITARIZAÇÃO. Você pode encontrar farto material informativo na imprensa com uma pesquisa rápida.
Os parâmetros que tenho sobre o funcionamento são os que circulam na imprensa: a parte disciplinar será cuidada por uma equipe de 20 a 25 policiais e/ou bombeiros militares fora da ativa, enquanto a parte pedagógica viverá pretensamente alheia a isso. Além disso, musicalização e orientações morais e cívicas serão trabalhadas no contra-turno. As alunas e alunos terão de usar fardas e professoras e professores usarão jalecos.

NÓS NÃO FOMOS CONSULTADOS.

Nós, professores do CED 308 do Recanto das Emas não fomos e não estamos sendo consultados. A comunidade não foi consultada.  Esse processo atropela o nosso Projeto Político Pedagógico e FERE A AUTONOMIA DE NOSSA ESCOLA.
Conversas estão sendo buscadas com sindicato, imprensa e contatos políticos para esclarecer as coisas.
Se você puder ajudar informando às pessoas que essas arbitrariedades violentas estão acontecendo, eu agradeço.
E sabe o que é pior... eu voltei pra escola após o doutorado no começo do ano. Minha escola não tem mais orientadora pedagógica. Faz uma falta incomensurável todo dia. Queriam fechar a Sala de Recurso, que atende cerca de 15 alunos com necessidades especiais na minha escola. A melhor professora de português da minha escola (a melhor que eu conheço) fez o concurso de remoção e não estará esse ano.

EU NÃO PRECISO DE MILITARES PARA DISCIPLINAR MINHAS ALUNAS E ALUNOS. EU PRECISO DE ORIENTADORAS, COORDENADORES, PROFESSORAS.

Se a minha escola receber 20 pedagogas, indubitavelmente haverá melhora da experiência escolar, inclusive no aspecto disciplinar.
Minha escola convive com notas baixas do IDEB há anos, com queda inclusive, e está localizada em uma área de periferia com problemas infindáveis de violência cotidiana. É verdade.
Isso não vai resolver o meu problema e de quem estuda comigo, que estou nessa escola há 9 anos.

GOVERNADOR, NOS FORNEÇA 20 PROFISSIONAIS DA ÁREA DE EDUCAÇÃO, INSTRUMENTOS PARA A MUSICALIZAÇÃO, 200 MIL ANUAIS EM INVESTIMENTOS E TEREMOS RESULTADO MELHOR QUE O DAS ESCOLAS MILITARIZADAS.

Honestamente, Jorge Santos, professor.