quarta-feira, 11 de julho de 2007

Por uma musa...

De algum lugar no espaço
Eu vejo a indiossincrazia dessa sincrônia que passa desapercebida
Essa estrutura homogeneizante que comanda eras
Desfaz as feras errantes

Eu congelado com meus passos de grãos de areia
Nesse universo tão grande quanto estagnado
Nessa incomensurável cama de gato
Esmagadoramente além...

Digno de nos prostar
Mesmo para quem não aceita
Ainda assim me admiro
Com essa hipnotizante lua cheia
Com os cantos das sereias
Com os balanços ritmados do peito
Com todo esse amor que não tem jeito
E me ajeito... e sigo em frente

Luta confusa
Vida difusa
Realidade obtusa
Da alma que se abusa
E na mente que se cala
Clama-se por uma musa

Não por ser linda
Não por ser alegre
Tantas o são

Não por ser distante
Não por ser misteriosa
Outras tantas também o são

Não por ser amante
Nem por ser amada
Muitas já o foram

Por haver no cerne
Isso sim... ah sim
Uma entropia rara
Uma obliquoa frestra para Passárgada
Por haver êxtase sublime ímpar
Que saboreio ao laber suas asas

E assim sendo
De ti de quem tenho apenas um olhar
E umas tantas palavras
Me prostro diante, impotente e exitante
O peito arfante pelos antigos delírios inebriantes
De musa amante que me roubava a fala
Enquanto eu a endeusava..
Criatura maior do que as divindades

E assim, sem alarde
Antes que seja deveras tarde
Toco-lhe a parte mais íntima, invisível aos olhos
Me demoro no toque pois ele é feito de suspiros
E revolvo-te as entranhas
Reconfiguro suas forças estranhas
E me deleito ao sabor de sua icognecência impura
Invadido por tamanha candura
Que vislumbro um paraíso
No portal dos teus olhos.....

9 comentários:

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

Por essa musa a quem ofereces jóias em cada palavra traçada

Eu numa cama de gato também me ajeito congelada

Num portal de olhos que revelam uma arte admirada

magie disse...

Mas então... desconhecia tal veia poética! E quantos talentos e habilidades ainda escondes? Sempre digo que tenho uma alma poeta, mas eu não sei fazer poesia.

Obrigada pela tão inesperada [porém prazeirosa] visita!

Está linkado,
Beijos...

magie disse...

“Armas de fogo, meu corpo não alcançará
Facas, lanças se quebrem, sem o meu corpo tocar
Cordas,correntes se arrebentem,sem o meu corpo amarrar
Pois eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge

Jorge é da Capadócia,viva Jorge
Jorge é da Capadócia,salve Jorge

Perseverança,ganhou do sórdido fingimento
E disso tudo nasceu o amor”

- E salve Bem Jor!

Cátia Margarida disse...

doce a musa que vislumbras como perfeiçao. pois amargas sao minhas maos ao contemplar mundos maiores do que as minhas asas e aos quais nem com os mais altos saltos chegarei. Mas eu salto, salto em busca de ceus maiores e melhores do que o cinzento que a minha visao agora alcança. Contar-te-ei depois do ceu azul e das rosas vermelhas, chorando la no fundo, quando tomar em minhas maos os restos de pes que me faltam.

Lynn disse...

quando seu fotolog vai virar realidade?
quero fotos =)


parabéns sempre pelo dom da palavra

Vanessa Plakitqen disse...

hoje então só passando para dar um Oi! :)
mas já salvei ele aqui, e voltarei mais tarde para ler tudo! hehe
bom fds pra vc!! :*

Escondida em mim disse...

Vim agradecer a tua visita ao meu "espaço".
Gostei também do que encontrei aqui. Tens uma forma diferente de pores cá fora o que trazes dentro.
Voltarei.

Um beijo...escondido em mim!

Patrícia Lino disse...

Ah, Poeta - como admiro os teus versos.

mah disse...

Tudo muito lindo!

Grande Jorge