quarta-feira, 2 de junho de 2010

Maraú...

Feita a mala
O peito embala
Não há quem cala
Tanta fala
Se vai levá-la
Leve

Vem viagem
Acabar com a estiagem
Concretizar miragem
Deixar de lado qualquer bobagem
E curtir a cabotagem
Sempre deve

Há de ser imensa
Qualquer crime compensa
Nem cheiro de desavença
Pois a jornada se fará extensa
E a uma babilônia densa
Quem não se atreve?..

6 comentários:

Canto da Boca disse...

Tem um ritmo tão cadenciado os seus poemas, ainda que o final de cada estrofe, seja pontuado por uma palavra que não rima com o corpo mais forte do poema, não deixa de rimar entre os fins, e dá uma sustentação poética ao total. Há que se deter em cada estrofe, demoradamente, porque são três visíveis poemas dentro dos quatro. Nada breve!

Salve Jorge!

Aquele abraço!!

Priscila Mondschein disse...

Tem que se atrever sim, viajar é maravilhoso... :)
Beijão!

renata carneiro disse...

viajar é preciso. limpa a alma!

um beijo

yo! disse...

boa viagem pra esse casal que amo!!!!!!!!

Ego. disse...

Viajei,
nem sei se fui convidada,
se podia fazer minhas malas, mas fui junto, rsrs...
é sempre uma viagem estar por aqui, uma boa viagem!!!

Vá desculpando minha ausência meu rey, é que a virtualidade anda me cansando, rsrs...
Bjos de cá*

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Como diria a hermana Cris

Pra levantar vôo, qualquer brisa serve.


Um beijo de sol.