segunda-feira, 2 de março de 2009

Pra terminar ou Melhor post de Novembro

Conforme prometido, chega ao fim a retrospectiva e o próximo post já será de coisas novas.. este conto foi a última coisa que escrevi em novembro..






Fumaça






(Sorveu a fumaça na escuridão..
Ela dançou..
A fumaça dançou à frente do olhar dele..
Ela virou-se no ritmo da música, dando as costas ao parceiro para que ele pudesse apreciar a linha sinuosa e sedutora que as costas dela traçavam no espaço..
A fumaça recebia as luzes em sua disforme existência cinza esbranquiçada..
Ela demorou a voltar ao ver um corpo parado, na direção dela, mas cujo rosto não se definia por trás da fumaça..
Ele tragou lentamente, tornando a brasa incandecente, ardente e mostrando uma luz no fim do túnel..)
- Vou no bar pegar cerveja.. (ela disse para o parceiro que não a interessava mais e não esperou resposta para buscar a luz..
Ele assistiu os passos rebolados dela, o movimento desdenhoso dos ombros, os cabelos charmosamente desgrenhados, incluindo aqueles que se colaram ao pescoço pelo suor.. tragou soltando a fumaça pelas narinas como faria um dragão..)
- Uma cerveja.. (ela disse apoiando os antebraços no balcão úmido, onde teve atenções imediatas, mas reparando de canto de olho na barba por fazer.. nas sombrancelhas grossas.. nas mãos grandes presas a ante-braços morenos.. no mundo turvo por trás da fumaça..
Ele a viu receber a long-neck que custava cinco vezes mais que o normal, levar aos lábios já sem retoques e exagerar uma refrescância que aludia a comerciais ignóbeis de publicitários sem criatividade alguma.. tragou e prendeu a fumaça por um instante longo..
Ela ignorou o mar de olhares e se deteve na ilha e no vulcão que soltava fumaça, mas nenhuma lava.. ainda..) - Quente né?
- Talvez.. (ele disse batendo as cinzas no chão, olhando para os próprios pés escondidos sob o all-star preto detonado, antes de levantar os olhos e fincá-los nos dela, como se não tivesse porquê ela estar ali.. tragou, enquanto a fumaça se dissipava..) Talvez..
(Ela ficou curiosa com aquela resposta, aquele olhar, aquela boca de lábios grossos e secos equilibrando um cigarro como se fosse um dedo assanhado.. virou-se para ele, espaçou as pernas pra apoiar-se melhor, mas deixando ambos os pés apontando pra ele, e prendeu o cabelo como se quisesse provar algo.. e terminou de dissipar a fumaça existente..) - Talvez? Como assim.. talvez?
(Ele sorriu.. quase com deboche.. soltou a fumaça, que misturou-se ao ar entre os dois, sólida como uma verdade.. achou graça na pose de "quem é você pra discordar de mim e não se submeter à minha beleza" dela.. a fumaça saiu densa, contínua, enevoando o mundo, eclipsando as luzes, cerceando-os dos arredores..)
- Eu falava do lugar.. tá um forno isso aqui.. (ela disse passeando os olhos pela caledoscopia que parecia um mundo inalcançável para além da fumaça.. bebeu mais um gole da cerveja estranhando um pouco tudo aquilo.. aquele cara indefinido.. mas não precisou exagerar, talvez por já ter a atenção pretendida.. talvez por já não haver refrescância possível por ali..
A fumaça parecia começar a se fazer o próprio ar que ela respirava. Enquanto o olhar castanho-rubro dele hipnotizava a atenção dela, a fumaça se entranhava e invadia os poros do corpo dela.. deslizava pelo corpo trazendo arrepios.. condensava os arrepios como uma língua que singra uma vontade..)
- Mas.. e.. bem.. qual o seu nome? (ela disse com dificuldade.. sufocada e excitada.. na falta de ter o que dizer, como se aquilo fosse o último refrear da vontade de pular do abismo, mas que apenas confirma a certeza iminente da queda..
Ele aproximou-se dela na retumbância daquele silêncio.. transformando cada segundo na potência de um desejo lapidado.. e cuspiu fogo na boca dela. Derramou chamas caudalosas.. piras funerais cobriram a carne dela.. a pele, a gordura sob ela, os músculos, os ossos, até mesmo a medula.. com a intensidade de uma super nova estelar.. a fumaça foi rubra por um instante, teve um cheiro mais adocicado.. mas talvez fosse a luz.. logo ela se dissiparia..
E ele tragou.. e soltou fumaças pelas narinas.. como faria um dragão...)

11 comentários:

Larissa disse...

pose de "quem é você pra discordar de mim e não se submeter à minha beleza"

Bela descrição! Haha :)
Tô ansiosa pra ver as coisas novas.

Ju disse...

lembro deesse post!
: )
smack.

Vanessa disse...

adorei
beijo
.

Lara disse...

Belíssimo texto...
Sempre uma prazer imenso ler tuas linhas.

Bom dia!

Ego. disse...

E na releitura continuo achando isso aqui fantástico!!!

Tô ansiosa...rs!

Bjus guerreiro*

:: rita :: disse...

. vocÊ me encanta...!

a rita dança sim! dança que ela cansou do ócio! agora quer passos novos... novos contos de amor e poemas tortos pra brincar de faz-de-conta!


[paz]

Priscila Mondschein disse...

Belo texto! Atiça a imaginação com as descrições da fumaça, como algo utilizado para sedução...

E comentando o seu comentário poético, concordo plenamente com vc: quem pula tem história pra contar, é quase como voar!

Beijos

Camila disse...

Eu me lembrei que li este post... principalmente pelo "castanho-rubro" dos olhos, pois achei fantástico.

Um BeijO

Maria Muadiê disse...

como faria um dragão...até a última ponta.

Tâmara disse...

Dessa fumaça...eu trago!

Maria Milesi disse...

belas palavras...obrigada por tanto carinho sr de frases lindas...