sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Um encontro com Pessoa...


"Estou quase convencido de que nunca estou desperto. Não sei se não sonho quando vivo, se não vivo quando sonho, ou se o sonho e a vida não são em mim coisas mistas, interseccionadas, de que meu ser consciente se forme por interpenetração.

Às vezes, em plena vida activa, em que, evidentemente, estou tão claro de mim como todos os outros, vem até à minha suposição uma sensação estranha de dúvida; não sei se existo, sinto possível o ser um sonho de outrem, afigura-se-me, quase carnalmente, que poderei ser personagem de uma novela, movendo-me, nas ondas longas de um estilo, na verdade feita de uma grande narrativa.

Tenho reparado, muitas vezes, que certas personagens de romance tomam para nós um relevo que nunca poderiam alcançar os que são nossos conhecidos e amigos, os que falam connosco e nos ouvem na vida visível e real. E isto faz com que sonhe a pergunta se não será tudo neste total de mundo uma série entreinserta de sonhos e romances, como caixinhas dentro de caixinhas maiores - umas dentro de outras e estas em mais -, sendo tudo uma história com histórias, como as Mil e Uma Noites, decorrendo falsa na noite eterna.

Se penso, tudo me parece absurdo; se sinto, tudo me parece estranho; se quero, o que quer é qualquer coisa em mim. Sempre que em mim há acção, reconheço que não fui eu. Se sonho, parece que me escrevem. Se sinto, parece que me pintam. Se quero, parece que me põem num veículo, como a mercadoria que se envia, e que sigo com um movimento que julgo próprio para onde não quis que fosse senão depois de lá estar.

Que confusão é tudo! Como ver é melhor que pensar, e ler melhor que escrever! O que vejo, pode ser que me engane, porém, não o julgo meu. O que leio, pode ser que me pese, mas não me perturba o tê-lo escrito. Como tudo dói se o pensamos como conscientes de pensar, como seres espirituais em quem se deu aquele segundo desdobramento da consciência pelo qual sabemos que sabemos! Embora o dia esteja lindíssimo, não posso deixar de pensar assim... Pensar ou sentir, ou que coisa terceira entre os cenários postos de parte? Tédios do crepúsculo e do desalinho, leques fechados, cansaço de ter tido que viver..."
(Fernando Pessoa - Livro do Desassossego, p. 280)

Sonho que proponho
Risonho ou enfadonho
Cabe a todo personagem
Buscar a margem
Pular da página
Fazer faxina
Para além do que se imagina
E nessa auto-sina
Rebelar-se contra o autor...

6 comentários:

Canto da Boca disse...

(o melhor é dormir e nunca mais acordar, risos)

♪ Sil disse...

(o melhor é dormir e nunca mais acordar, risos)(2)

Saudadona de tu, menino.

Salve Jorge, sempre!

Um abração!

Vanessa Souza Moraes disse...

Um de meus livros de cabeceira...

http://vemcaluisa.blogspot.com/

Flávia disse...

Por mais complexo e louco que pareça faz muito sentido. A sensibilidade de certos escritores me espanta...
Boa noite ;)

Ju disse...

sonho e vida;
uma coisa só
para quem tem
a magia do artista!
beijos, amigo!

• c disse...

é de uma lindeza destamanha esse livro. me acompanhou do outro lado do mundo pra cá.