sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Chamado aos navegantes

Vem aí um mar
Ah mar
Que só mar
Sabe do ímpar
O par
Somar
Som há
Se há mar
Pelo ar
Capaz de escapar
E virá
E tudo inundará
Até o sertão virará
Mar
Ao mar então
Se deixar
Levar
Pra que chão
Navegantes
Se tal qual os amantes
Temos os trejeitos delirantes
De quem caminha rumo ao festejo mais acachapante
Que a história irá noticiar
Tragados no mar
Iremos bailar
Velas içar
Nesse mar
Tão ondulante...

5 comentários:

forever disse...

impossível não amar o mar...
adorei
lindo fim de semana pra ti.

Martinha disse...

Já dizia um sábio poeta:
Há mar e mar, há ir e voltar. :)

Ego. disse...

Êta que saudade eu tava desse meu rey-poeta-marinheiro!!!

"Ah se eu fosse marinheiro,
não pensaria em dinheiro,
um amor em cada porto,
ah se eu fosse marinheiro..."

. fina flor . disse...

navegar [ou içar] é preciso, viver não é preciso....

beijos, querido

MM.

Tâmara disse...

Marinheiro, com licença!


ô Mainheiro, Marinheiro...
Quem me ensinou a navegar?
....
Lá vem, lá vem...
Como ele vem faceiro...
Todo de branco...


é..ja diz meu velho Marinheiro...

Navegar sempre!